quinta-feira, dezembro 20, 2007

DIA DE NATAL

Hoje é dia de ser bom.
É dia de passar a mão pelo rosto das crianças,
de falar e de ouvir com mavioso tom,
de abraçar toda a gente e de oferecer lembranças.
É dia de pensar nos outros. coitadinhos. nos que padecem,
de lhes darmos coragem para poderem continuar a aceitar a sua miséria,
de perdoar aos nossos inimigos, mesmo aos que não merecem,
de meditar sobre a nossa existência, tão efémera e tão séria.
Comove tanta fraternidade universal.
É só abrir o rádio e logo um coro de anjos,
como se de anjos fosse,
numa toada doce,
de violas e banjos,
Entoa gravemente um hino ao Criador.
E mal se extinguem os clamores plangentes,
a voz do locutor
anuncia o melhor dos detergentes.
De novo a melopeia inunda a Terra e o Céu
e as vozes crescem num fervor patético.
(Vossa Excelência verificou a hora exacta em que o Menino Jesus nasceu?
Não seja estúpido! Compre imediatamente um relógio de pulso antimagnético.)
Torna-se difícil caminhar nas preciosas ruas.
Toda a gente se acotovela, se multiplica em gestos, esfuziante.
Todos participam nas alegrias dos outros como se fossem suas
e fazem adeuses enluvados aos bons amigos que passam mais distante.
Nas lojas, na luxúria das montras e dos escaparates,
com subtis requintes de bom gosto e de engenhosa dinâmica,
cintilam, sob o intenso fluxo de milhares de quilovates,
as belas coisas inúteis de plástico, de metal, de vidro e de cerâmica.
Os olhos acorrem, num alvoroço liquefeito,
ao chamamento voluptuoso dos brilhos e das cores.
É como se tudo aquilo nos dissesse directamente respeito,
como se o Céu olhasse para nós e nos cobrisse de bênçãos e favores.
A Oratória de Bach embruxa a atmosfera do arruamento.
Adivinha-se uma roupagem diáfana a desembrulhar-se no ar.
E a gente, mesmo sem querer, entra no estabelecimento
e compra. louvado seja o Senhor!. o que nunca tinha pensado comprado.
Mas a maior felicidade é a da gente pequena.
Naquela véspera santa
a sua comoção é tanta, tanta, tanta,
que nem dorme serena.
Cada menino
abre um olhinho
na noite incerta
para ver se a aurora
já está desperta.
De manhãzinha,
salta da cama,
corre à cozinha
mesmo em pijama.
Ah!!!!!!!!!!
Na branda macieza
da matutina luz
aguarda-o a surpresa
do Menino Jesus.
Jesus
o doce Jesus,
o mesmo que nasceu na manjedoura,
veio pôr no sapatinho
do Pedrinho
uma metralhadora.
Que alegria
reinou naquela casa em todo o santo dia!
O Pedrinho, estrategicamente escondido atrás das portas,
fuzilava tudo com devastadoras rajadas
e obrigava as criadas
a caírem no chão como se fossem mortas:
Tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá-tá.
Já está!
E fazia-as erguer para de novo matá-las.
E até mesmo a mamã e o sisudo papá
fingiam
que caíam
crivados de balas.
Dia de Confraternização Universal,
Dia de Amor, de Paz, de Felicidade,
de Sonhos e Venturas.
É dia de Natal.
Paz na Terra aos Homens de Boa Vontade.
Glória a Deus nas Alturas.

- António Gedeão -

segunda-feira, dezembro 17, 2007

50º Natal



Após 50 anos de grande prémio de natal, em 2007 fez-se a revolução e passou a existir uma prova nova de 10 Km certificados e com grande visibilidade. Uma marca desportiva, mais propriamente a SportZone , o que deu logo muito mais visibilidade a esta prova muitas vezes esquecida nos confins de Dezembro, e esta distância é muito democrática e tem bastante adesão popular.
Com alguns ingredientes excitantes para o corredor de pelotão, tais como o dorsal com o nome, e o tapete de chip à partida, esta prova teve tudo para ser um sucesso com mais de 1000 participantes.
Quanto a mim, correu muito bem, confirmando o crescendo de forma que tenho vindo a registar. Ainda não tenho o tempo liquido mas o real deu 44m11s e devo tirar daqui perto de 30 segundos, pois eu estava bem lá atrás na partida, a prova correu bem, fui quase sempre no mesmo pelotão durante a prova desde a 2ª circular e nem me apeteceu acelerar muito na descida vertiginosa do Saldanha para os Restauradores.
No final tínhamos um magnum à espera e uma embalagem de mostarda e um frasco de maionese… para o regime desportivo.

Abraços,

segunda-feira, dezembro 10, 2007

um curioso número...

samora correia, terra de campinos, uma prova de 15km em que basicamente confirmei a marca da meia da semana passada.
a prova não é nada de especial, duas passagens pela partida nunca se saindo da vila, o público hoje também não estava caloroso, tem a vantagem de ser completamente plana.
quanto a mim, fiz 1h9m e senti-me bem toda a prova, continuo a correr sem qualquer aparelho de medida, a vantagem é fazer a prova ao "sabor" do corpo e a desvantagem é às vezes seguir em grupos que estão a ir rápidos demais o que faz com que me desgaste mais, senti também alguma dificuldade para abrandar o ritmo, logo aos 5 km quando encontrei um pequeno pelotão que seguia a bom ritmo, mas eu como estava com "pica" resolvi seguir em frente e na recta da meta ainda fui ultrapassado por muitos representantes desse grupo.

para a semana é downhill até aos restauradores...

abraços

sexta-feira, dezembro 07, 2007

quarta-feira, dezembro 05, 2007

afinal como é?

há coisas que são mesmo chatas, está aqui uma...

mesmo assim portei-me bem!

abraços

terça-feira, dezembro 04, 2007

Km 19

durante a prova deste domingo, algumas "discos" ainda estavam a bombar na zona de santos, quando passo pelo km 19 vejo algo semelhante ao que está na foto (sem chicote...), e aconteceu o seguinte diálogo com um companheiro de prova:

eu - "já viu aquilo?"
ele - "que granda vaca!"
eu - "olhe que é mais boi..."
ele - "e pois é! f....! granda boi"


:D


segunda-feira, dezembro 03, 2007


assim dá moral!
meia maratona Lisboa

grande dia, sem calor, uma brisa a ajudar e muitos participantes.

não tinha planeamento para o dia de hoje, apenas correr ao sabor da vontade e mais uma vez sem crono/gps.

nas provas que fiz desde setembro, tinha sentido que não sabia em que nivel estava e "rebentava" no último terço... desta vez estava com esse receio mas o depósito deu para aumentar o ritmo no final.
aos 10k perguntei a quanto tinhamos à minha lebre do clube stress e ele disse 46m, pensei: "sinto-me bem, vou puxar mais um pouco pelas pernas" passamos aos 13k em 1h e fui-me sentindo sempre muito bem, quando passo aos 19k pergunto o tempo a uns companheiros de pelotão que dizem 1h28... eu pensei: "porra! será verdade?" nem o carlos que estava a tirar fotos no cais sodré, estava à espera de mim tão cedo...
1h37m e picos é menos 8 minutos que na nazaré, sem treinar especificamente apenas 4 corridas por semana a rolar 45 a 50 minutos, é sinal que isto está a começar a a afinar...
estou feliz...
abraços

segunda-feira, novembro 19, 2007

120 minutos
este domingo fiz o treino sozinho, parti do casino estoril e regressei quando fiz uma hora, quase a chegar ao muxacho.

foram cerca de 23 km, uma bela manhã de sol e com pouco vento, no regresso o calçadão está sempre muito povoado e temos que fazer sempre um pequeno zig-zag.

deu tempo para pensar no futuro, dado que londres está cada vez mais longe... estou a ficar inclinado em fazer a solidão do carlos lopes em lisboa - abril e depois no segundo semestre apostar numa prova internacional, berlim, helsínquia, amesterdão...
mas em 2008 vou fazer duas de certeza

abraços e boas corridas...

segunda-feira, novembro 12, 2007

a chegada....

video
nazaré


apesar das 1h45m, soube a record....
grande ambiente, muita gente simpática quer na cidade quer nos cruzamentos das zonas mais descampadas, este estival que vivemos actualmente leva a que as pessoas passem umas horas sentadas à beira da estrada a apanhar um solzinho e e aplaudir uns malucos que andam para ali a correr 21 km e picos entre as 11h e as 13h
fui sem relógio como tinha prometido, e mesmo com a conversa sobre o louco longão com o luis miguel, não consegui começar lento... até segundo o meu companheiro carlos ferreira, nos primeiros km cheguei a ir a 4:40/km, mas o meu objectivo era ir a 5m e foi conseguido e ia sendo controlado no avançado sistema de controlo de 5 em 5 km.
Um belo peixe no final e à noite um 6-1 + 5 golos para festejar, e o dia acabou em beleza :D
abraços,

quarta-feira, novembro 07, 2007

exemplo:
in correio da manhã
Pedro Mantorras, a mulher Nina e a empregada do casal salvaram um taxista da morte no domingo à noite. Perto das 22h00, o jogador encarnado aguardava em casa (Marisol, na zona da Fonte da Telha) pela chegada do sobrinho, António, transportado num táxi, desde Alhandra.
Como habitualmente, Nina, a mulher do jogador do Benfica, pediu à empregada para pagar ao taxista. Mas volvidos poucos segundos, voltou a casa, aos gritos: “O senhor está mal do coração, está a morrer”.Mantorras e a mulher saíram para o exterior e depararam-se com o taxista prostrado. “Ele estava mesmo mal, nem conseguia respirar”, disse Nina ao CM.
A empregada do jogador tem alguma experiência em primeiros socorros, mas Pedro Mantorras juntou-se a ela nas massagens cardíacas ao taxista. Ao mesmo tempo, Nina pegou no telefone, tentando contactar Luís Filipe Vieira e os serviços de emergência médica, já que não dispunham do contacto telefónico dos familiares do taxista.
Na emergência médica, a primeira operadora desligou-lhe o “telefone na cara”. Nina não desistiu: “Depois apanhei uma funcionária mais simpática do que a colega anterior. Recomendou-me calma e garantiu-me que a ambulância já vinha a caminho. Eu só lhe dizia, desesperada, que se demorassem muito iam encontrá-lo morto.” Nina ainda ligou a um taxista amigo, de Alverca, e foi este quem conseguiu o número telefónico do filho da vítima, que tinha o telemóvel desligado.Quando chegou a ambulância e enquanto o taxista era transportado para o hospital Garcia da Horta, em Almada, Mantorras guardou-lhe o carro no quintal da vivenda onde reside, na Margem Sul do Tejo.
FAMÍLIA AGRADECIDA AO ANGOLANO Chama-se Jacinto Brancas e tem 59 anos o taxista salvo por Pedro Mantorras e a mulher. Transferido ontem do hospital Garcia da Horta para o de Vila Franca de Xira, sente-se agora bem melhor, aguardando que os médicos lhe dêem alta. Profundamente agradecido ao casal angolano está o filho, Hélder, benfiquista confesso, que já era fã de Mantorras antes de o conhecer pessoalmente. “Nunca pensei conhecer o Mantorras e agora estamos em contacto permanente. Pena que isso tenha acontecido nestas circunstâncias, mas se já o admirava antes agora ainda muito mais”, confidenciou ao CM.Os agradecimentos estendem-se também a Nina: “Tem sido muito atenciosa, está sempre a perguntar como está o meu pai.”

segunda-feira, novembro 05, 2007

pensar e aplicar
este blog está uma vergonha, só perspectivas de records e nada de treino para isso... facilmente se chega à conclusão obvia que não seria essa a "cenoura" correcta...

depois de alguns conselhos amigos, decidi que nas próximas provas não irei usar cronometro /gps, irei participar mas sem pressões de tempo.


próximas provas:

- nazaré

- lisboa (meia)

- natal

- amadora

abraços e boas corridas,

domingo, outubro 28, 2007

20 Km de Almeirim

estive a analisar as razões e a conclusão é fácil, para quem anda a fazer como "treino" semanal 4 a 5 saídas a rolar de 45 min., só pode esperar que numa prova de 20 km termine de rastos e com o pior tempo de sempre.
a hora a que se realiza a prova (16h00) já afecta o organismo fisiologicamente, o calor que estava (cerca de 23º) também faz a sua mossa, para quem não sabe a quantas anda (que é o meu caso) em termos de resistência e ritmo, é muito dificil planear uma prova calma, eu acreditava que conseguia manter um ritmo de 5:00/km mas só consegui manter esse passo até aos 15 km, depois o depósito ficou na reserva e tive que baixar severamente o o ritmo para conseguir ter autonomia para a chegar à meta.
já vi alguns posts a dizer que faltou um abastecimento aos 5km (que me fez bastante falta) mas segundo sei o abastecimento estava lá, mas não passou lá ninguém pois houve um pequeno erro no percurso, tal como o rodrigo diz no seu blog também fui sempre com uma sensação absurda de sede e até usei a técnica do Chris McCormak (vencedor do ironman hawaii 2007) colocando umas esponjas no interior da camisola...

podem ver os dados da minha prova aqui...



a novidade que foi a sopa da pedra para todos, até funcionou muito bem, estava à espera de uma coisa caótica com tantos participantes e acompanhantes e para além disso estava muito boa...
para a nazaré já não faço previsões, seja o que o corpo quiser...

abraços ;)

segunda-feira, outubro 22, 2007


corrida do tejo

omoletes sem ovos? sem treinar não se consegue fazer nada...
foi apenas uma passagem, uma participação, depois de uma semana sem treinos devido a uma breve passagem de uma constipação que afectou a resistência fisica e as vias respiratórias, não fiz mais do que participar.
na verdade o objectivo não era ambicioso, mas fazer 48 min é voltar quase ao início. parti do fundo do enorme pelotão (quase 4 minutos até passar na partida...), depois tentar ganhar ritmo aos zig zags (o que acaba por ser fatigante), só depois da subida da boa viagem e da passagem para 4 faixas é que começei a ficar abaixo dos 5min /km... fui baixando até 4:20 /km, mas pouco depois dos 6 km o meu estomago começou a avisar que se mantivesse aquele andamento o final não ia ser bonito... portanto acalmei e tentei chegar dentro do horário previsto nesse momento - 48 min, e consegui atingir, apesar de não estar nada satisfeito e de a motivação ser muito pouca.
sabado vou para 1h40m em almeirim...

abraços,

segunda-feira, outubro 15, 2007

ironman hawaii 2007

fico sempre arrepiado ao ver isto (este ano em directo), o que seria aquilo que o Macca levava no peito??? gelo?? não eram as velhas esponjas...

e até a RTP mostrou as imagens hoje... deve ter sido a primeira vez desde que existe ironman

abraços,

segunda-feira, outubro 01, 2007

pequeno desvio
devido a algumas situações conjunturais, venho aqui repôr a verdade relativamente aos meus objectivos mais próximos:

- Corrida do Tejo - Não vou para record, não é fisicamente possível - prioridade B

- 1/2 Nazaré - Verificar o estado real da máquina - prioridade B

- 1/2 Lisboa - Vou para record (pelo menos 1h31m) - prioridade A

- S. Silvestre Amadora - Vou para record (nem que seja por um segundo) - prioridade A


Em Janeiro começa o treino oficial para Londres 2008. Objectivos:

- Desfrutar

- Terminar

- Sorrir

- record pessoal

- Boston Time


Abraços ;)

segunda-feira, setembro 10, 2007

GUERREIROS!!! isto sim faz arrepiar!

Este momento mostra toda a raça de um povo, é este o tipo de coisa que mexe comigo!



PS. agora vou partir para Florença, para uma semanita de cultura e depois volto à estrada em força.

terça-feira, setembro 04, 2007

Projectos...

  • Bater o meu record de 10 Km na Corrida do Tejo
  • Bater o meu record da meia maratona, na Nazaré ou em Lisboa

segunda-feira, agosto 13, 2007

Mais um post da Sealy Season....

Só para manter a coisa actualizada e animada, eis o grande Dean "Karno" numa das suas aventuras:

quinta-feira, julho 19, 2007

Teste para avaliação da Condição Fisica
Fiz hoje este Teste, recomendo, e poderei fornecer-vos mais esclarecimentos.
Quem tiver curiosidade em avaliar o seu verdadeiro máximo cardíaco e o seu VO2max, tem agora uma oportunidade (à borla) para fazer o teste num local de referência e com credenciais únicas - Faculdade de Motricidade Humana.
Este teste faz parte de uma investigação em curso na FMH, para a qual estão a recrutar corredores que queiram voluntariar-se.
Nesta primeira fase, a fase de rastreio, pretende-se realizar um teste máximo para avaliação do consumo máximo de oxigénio e de outros parâmetros cardio-respiratórios. A participação requer a visita ao laboratório na FMH numa manhã e num período não superior a 2 horas.
O estudo envolve a identificação do genótipo para um gene que possa estar implicado na aptidão física e talvez na tolerância a cargas elevadas de treino. Isto requer a recolha de sangue.
Se conhecerem outros atletas que possam prestar-se a participar no estudo estejam à vontade para divulgar.

Os contactos são:
Paulo A S Armada da Silva
Professor Auxiliar
Faculdade de Motricidade Humana
parmada@fmh.utl.pt
Estrada da Costa
1495-688 Cruz-Quebrada
PORTUGAL
Telf: 351 21 4149248
Fax: 351 21 4149236

segunda-feira, julho 09, 2007

ganhar força...
esta semana foi composta só de corrida (e ainda um banho na piscina...);

Terça- feira - 1h em sobe e desce na zona da lagoa azul - barragem do rio da mula (bem puxado - tipo fartlek)
Quarta-feira - 1h na marginal, a rolar para descansar as pernas moídas no dia anterior
Quinta-feira - Natação, perto de 1000 metros em séries de 200 mais aquecimento
Sábado - falhou a bicicleta, adormeci de manhã e depois estava muito calor
Domingo - 1h30m junto à praia a bom ritmo, deve ter dado 18,5 Km

O meu garmin volta hoje como novo do UK! uau! finalmente, já tinha saudades!

abraços,

segunda-feira, julho 02, 2007

...regresso

foram 5 dias de corrida de uma hora (logo pelas 6h30m...), em que fiz entre os 11 e os 13 km em percursos com bastantes altos, usei o mp3 com podcasts retirados daqui
o mar estava muito fresco, sempre a 18º (desculpas...) e não nadei nada, só na piscina do hotel. Peniche fica para 2008 mas Aviz ainda não está completamente de parte.
descobri um site http://www.athlinks.com/ que é uma comunidade de atletas, em que se partilham experências e aventuras, ainda é muito americano, mas gostei muito do conceito, e podem ver aqui
e agora? vou entrar uma fase de força, com bastante serra de sintra, para preparar os meu dois objectivos para o resto do ano - bater os meu PR de 10K e de 1/2 maratona
e depois? já estou a trabalhar no site... londres2008 !!!!!!!!!

abraços,

sábado, junho 23, 2007

ao sul...

Amanhã vou partir para uma semana no reino dos "algarves", vou estar por albufeira, espero que esteja bom tempo.
Prevejo correr uma horita todos os dias, e nadar em mar se possível, pois na piscina é garantido...
Quando voltar, irei repensar os meus objectivos desportivos para o resto do ano.

Abraços,

segunda-feira, junho 18, 2007

novo record pessoal!

Passei esta a semana a recuperar da minha aventura, passei também a semana reflectir sobre o futuro, o próximo e o mais longínquo.
Decidi participar pela primeira vez na prova "Marginal à Noite" com 8 km, como nunca participei numa prova com esta distância, tinha já como garantido um record pessoal :D
Durante a tarde fui a uma destas calculadoras que tenho aqui nos links do blog, preenchi o tempo de 1h40 para a meia maratona para ver quanto dava para os 8 Km, deu cerca de 35 min.
Então lá fui só com o cronómetro, pois o meu Garmin foi dar uma volta até ao UK, a um ritmo forte foi só passar pessoal até ao retorno que fiz antes dos 16 min, de salientar que a prova não têm marcações ao km, no regresso senti que já estava em perda e foi só tentar manter o ritmo, terminei melhor que o previsto em 34:39 num ritmo de 4:20/km, o que foi muito bom depois de uma semana parado.
Agora vou manter um treino de triatlo, para a próxima semana vou para Albufeira, vou manter a corrida e alguma... natação em águas abertas... :D e depois logo se vê, se Peniche se Aviz.

Abraços,

segunda-feira, junho 11, 2007

já sou triatleta!


Já ando a namorar esta modalidade há bastante tempo, este domingo tive a minha primeira experiência.
Não posso dizer que tenha sido boa, porque não foi, apenas posso dizer que não me tirou a vontade de fazer mais triatlos e de ir mais longe. Aqui fica um pequeno report do que se passou:
Pré-prova
No sábado fui até à praia da torre ver como anda o mar, não fiquei contente com o que vi, tinha muitas ondas. No domingo cheguei à hora, por volta das 7:45 e comecei a observar como se fazia … coisas de novato, lá coloquei o número na bicla , e a medo ia olhando o mar e sentindo a chuva … e fui para a fila do check in, fiquei na zona dos individuais, mesmo em frente da equipa do tri-oeste, cumprimentei o SEDI (Sérgio ”ironman hawaii 2006” Dias), que não me estava a reconhecer, lá pus as coisas na ordem meticulosamente e fui ver a partida do super-sprint, mais uma vez a torcer o nariz…
Natação
Pela primeira vez ia nadar em águas abertas, em mar, com fato, juntamente com 2 centenas de pessoas etc, e para ajudar… as ondas. O frio da água nem o senti não sei se estava ou não, fiz uns metros em crool mas as ondas não me deixavam respirar e passei para “costas clássicas” ingeri bastante cloreto de sódio, resolvi ir em bruços mas sem respiração, para ir sempre a ver a bóia… bem aquilo era longe como tudo, estava lá outro participante, tentei de novo o crool depois da bóia, mas estava ir para as rochas do pontão da marina, mantive o meu estilo inventado no momento e resisti à tentação de pedir uma boleia no barco ou de descansar na bóia, também não estava propriamente cansado, estava derrotado e saturado psicologicamente… quando descobri que tinha pé, suspirei. Os desgraçados do meu “clube de fans” lá estavam sozinhos na praia ao gritos e a puxar por mim. Despi o fato e fui à andar nas calmas até à bicicleta.
Bicicleta
Era o único segmento em que contava controlar o tempo, mas nem isso correu bem, pois o sensor da roda estava de lado e nem para isso deu, apenas deu para ir seguindo a cadência, que tentei manter entre as 75 e as 80, ao menos foi uma prova purista sem “drafting”, sempre sozinho durante as duas voltas mas também sem puxar demasiado, quando bebi o gatorade senti que já tinha sódio a mais na garganta :), mas acho que na realidade este segmento correu bem e deu para disfrutar, se tivesse mais concorrência à vista teria puxado mais é claro.
Corrida
Depois de uma transição muito rápida (fui avisado por uma árbitro para não desapertar o capacete antes de colocar a bicicleta), lá fui para o segmento em que me sentiria mais à vontade e que eu tinha esperanças, me tiraria do último lugar, fui certinho a um ritmo steady, e lá passei por três concorrentes (por acaso nunca vi nenhum abastecimento, mas deve ter sido do sal na vista) e terminei o meu primeiro triatlo.









Conclusão
"O que não me destrói, torna-me mais forte" - vou voltar, e em breve, estou a pensar estar em Aviz… mas quero ir mais longe ;)






Muito obrigado a todos os que me acompanharam nesta minha prova, não refiro aqui os nomes, mas eles sabem quem são...

NOTA: Quem quiser pode ver um relato em inglês aqui

sexta-feira, junho 01, 2007

O meu treino

Para já, gostaria de agradecer a todos os que comentaram no post anterior, fiquei até espantado com a adesão. Os maiores nomes do triatlo nacional :D e muitos gurus vieram cá dar o seu bom conselho a este caloiro que vos escreve… será que há praxe?

Podem ver o meu log de treino aqui

Bom vamos entrar na última semana de treinos, podem ver acima as cargas que apliquei a cada uma das disciplinas, o treino não foi nada de específico, como já disse foi apenas de volume e fundamentos.

Natação: Aprendi a nadar com cerca de 7 anos, tínhamos lições na piscina da Praia Grande – Colares, quando íamos para a praia com a escola durante o mês de Junho, aprendi aí as bases, tive uma fase ainda em puto que era viciado nas barbatanas e no tubo e vasculhava todo o fundo do mar à procura de tesouros na praia de Monte Gordo, ainda me lembro de estar todo contente debaixo de água a ver o meu relógio com a Heidi e o Pedro em Porto de Barcas perto da Lourinhã (passados dois dias deixou de funcionar, não sei porquê :D). Desde aí deixei de nadar até 2005 em que me inscrevi nas aulas, fiquei na classe intermédia até final de 2006, depois desisti das aulas e quando me comecei a preparar para o triatlo em Fevereiro, comecei a fazer horário livre duas vezes por semana uma hora cada, tenho insistido só no crool e faço poucos drills apenas uma pull bouy de vez em quando. Como já disse, prevejo ser dos últimos a sair da água… também assim há menos confusão no parque.

Ciclismo: O meu pai acompanhou 2 ou 3 voltas a Portugal durante os anos 70, sempre gostei de olhar para aquela camisola que o grande Agostinho lhe tinha oferecido, era da equipa "La Casera" e o material era tipo uma malha de lã fina, lá em casa havia uma bicicleta de corrida e o vicio aumentava depois de estar a ver a Volta à França e a Volta a Portugal mas nessa altura também aumentava o calor. Lembro-me de numa tarde de Agosto em oitentas e tais, depois de assistir á etapa da torre, resolver vestir a camisola do campeão e partir de minha casa no Banzão – Colares até ao Cabo da Roca, quando cheguei a Almoçageme cerca de 5 km de serra, já ia com os pulmões pendurados, cheguei ao Pé-da-Serra e tive que usar os meus conhecimentos dos trilhos do Rally de Portugal para fazer rapidamente o meu regresso… passei até 2005 sem ter bicicleta, até adquirir a minha Decathlon 7.2, e em 2006 uns rolos para estar em casa a treinar durante o Inverno e ao mesmo tempo a ver os episódios fresquinhos do Lost.

Corrida: Este blog diz tudo ou quase tudo, mas foi em Fevereiro de 2004 que comecei, fiquei “agarrado”, passadas duas semanas estava a escolher qual seria a maratona da estreia em 2005 (escolhi Paris), em Maio já tinha feito a minha primeira Meia Maratona… Essas e muitas mais estórias podem ser encontradas nas profundezas deste blog.

Ainda vou voltar a escrever aqui antes da prova, mas volto a agradecer a todos o vosso apoio!

Abraços,

segunda-feira, maio 28, 2007

O quase…
Está quase a chegar o dia da minha estreia no Triatlo, depois destes meses de treino o balanço é o seguinte:
- Natação: confesso que não me sinto à vontade, para mim 750m continuam a ser um monstro, mas já tenho uma ideia de quanto irei fazer neste segmento.
- Ciclismo: esta disciplina tem tido direito ao maior tempo de treino, quer indoor quer em estrada, o circuito em Oeiras vai ser plano, também tenho uma previsão de quanto irei fazer.
- Corrida: Esta é a minha “especialidade” tenho evitado a tentação de treinar quase só corrida, mas pelo que tenho sentido, está apurada, vamos a ver em que estado eu estou quando lá chegar.

O treino tem sido agradável, praticamente só de fundamentos, pois o objectivo é de ter uma experiência agradável.
Ontem fiz uma espécie de “brick” com 26 Km de ciclismo a cerca de 75% de esforço de prova, seguidos de 6 Km de corrida com o mesmo esforço. O início da bicicleta foi difícil com algum vento contra, mantive sempre as 80 rpm (o percurso era ondulado, na zona de Sintra é difícil que não seja) e o regresso foi mais rápido e senti-me bem a rolar nas 90 rpm. A corrida surpreendeu-me, pois saí bem rápido e tinha na cabeça um ritmo “steady” e tendo o percurso subidas íngremes, tive um ritmo de treino abaixo das 4:30/km.

Deixo aqui algumas questões de principiante para quem quiser responder:

- Na natação vou usar um wet-suit curto de bodyboard , faço bem?
- Como se limpa a areia dos pés e o sal do corpo?
- Devo tomar algum tipo de gel energético?
- Não uso sapatos de encaixe (minha arma secreta), vou à antiga com correias, faço bem?
- O que devo levar para o parque de transição, para além da bicicleta, capacete e sapatilhas?

Obrigado!

Abraços,

quinta-feira, maio 03, 2007

Triatlo em Lisboa No domingo vai acontecer algo de revolucionário em Portugal, a RTP 1 vai transmitir em directo a prova da Taça do Mundo de Triatlo feminina pelas 10h00, vai dar uma grande visibilidade a este desporto multidisciplinar e quase de certeza mais praticantes, mas podem ficar descansados que tudo se deve ao trabalho no duro da SENHORA da foto em cima. Eu vou estar lá!
Mas sábado vou lá estar antes das 8h00 para ver, olhar e fotografar os homens e mulheres que irão fazer o 1/2 ironman - Lisboa Long Distance Triathlon (nat-1900m cic-80 km corr-21,1 km), talvez faça uma corridita para aquecer, anda por lá a Terry Fox e são €5 por uma causa.
Isto tudo para ver se me motivo para o meu Sprint, daqui a pouco mais de um mês...
abraços,

quarta-feira, maio 02, 2007

Mais uma vez...

Corrida do 1º de Maio

Alterar os planos em plena prova nunca dará bons resultados, a ideia começar lento e terminar em força, tal como tinha tentado em Mafra, mas escolhi mal as lebres... fui a acompanhar o grande Fernando Andrade e o João Hebil a grande ritmo, de tal maneira que quando cheguei ao final da Rua do Ouro tive que abrandar pois o meu abdómen estava-se a queixar e ainda tinha a Almirante Reis para fazer... travei a fundo e fui bem lento até lá acima, cerca do Km 12 o Rodrigo Silva (devia ter feito a prova com ele!) passa por mim e diz-me para ir com ele, ainda fui durante uns metros mas o estomago não estava a gostar e voltei ao ritmo lento... ainda consegui cruzar a meta em 1h10m mas infelizmente com vómitos de novo ...(www.goruneasy.com)

Tentando verificar as razões para tal, detectei estes pontos que não sei se serão causas ou desculpas:

- No dia anterior fiz um contra relógio de natação em ritmo de competição
- O meu treino tem sido para o triatlo, a corrida tem vindo a ser reduzida
- Devia ter seguido o meu plano de prova, descer nas calmas para subir em força
- Devia ter dormido mais que 4 horas

abraços,

quinta-feira, abril 26, 2007

Pirata Trinarajus


No dia da Liberdade, participei pela GAFE no segundo percurso da 71ª Estafeta Cascais-Lisboa (lembro-me de ver esta prova na TV, nos tempos do benfica-sporting, andavam por lá o Leitão, Aniceto, Canário, Mamede, Lopes e Gémeos Castro), foi uma grande responsabilidade esta de representar uma equipa com um nome já confirmado na cena nacional.
Os precursos forram os seguintes:


  • Cascais - Estoril - 3K - António Bento


  • Estoril - Parede - 4K - Nuno Cabeça


  • Parede - Paço d'Arcos- 7K - Luis


  • Paço d'Arcos - Algés - 6K - Elvis


  • Algés - Lisboa - 5K - Paulo

Fui eu que escolhi o meu percurso devido à distancia no triatlo e também para testar a forma e algum equipamento. Começei o primeiro Km abaixo de 4:00/km apesar das duas rampas, o segundo fiz 4:00/km certos e nos dois ultimos subi mais uns segunditos e a média final foi de cerca 4:08/km, passei cerca de 3 equipas!
A parte seguinte também foi muito fixe, porque iamos no carro do nosso Director Desportivo - Carlos Ferreira, e parecia uma prova de ciclismo iamos a acompanhar os nossos atletas a gritar o ritmo e a dar água, e a moralizar.
Resultado, ficámos em 6º na categoria de populares com 1h38m em 12 equipas e com 4 minutos de vantagem sobre a 7ª.
Abraços a todos e parabéns!

segunda-feira, abril 16, 2007

Dourada?

Foto do ciclista Antonio Bento
Este domingo fui ajudar o meu companheiro Carlos Ferreira a completar a sua 8ª maratona e a segunda em menos de 30 dias.
Tinha planeado fazer apenas 15 Km, esperei debaixo da ponte no décimo quinto quilómetro e dei a volta até ao estádio com regresso e final pouco depois dos 30 Km (the wall).
A lebre inicial (Pedro Teixeira) teve o cuidado de fazer a inscrição no dia anterior, quando terminou a sua prestação cerca dos 22 Km, passou-me o testemunho, e eu passei ao Pedro Oliveira (lebre que levou o atleta à meta) até às 3h35m de prova.
Quando estava à espera, vi passar os primeiros atletas e alguns de ritmos relativamente elevados, e tive alguns pensamentos relativamente a esta prova e ao cenário da maratona em Portugal:
- “Xiiii, pareço aqueles habitantes das aldeias da Mauritânia quando passa o Lisboa – Dakar, estou aqui sozinho a aplaudir cada um dos atletas que vai passando, sei que este som não significa muito para eles, mas eu sei reconhecer o que custa ali andar, não só hoje mas os meses que antecederam…”
- “E este senhor amblíope, tem a coragem de vir aqui a correr sem guia, já chocou contra nós e tropeçou algumas vezes nos passeios do Estádio Nacional, coragem mesmo….”
- “Isto aqui nos abastecimentos está um pouco apertado de mais! Não é preciso tanta gente para 2 ou 3 atletas que passam de vez em quando!”
- “O que se passará na cabeça destes nórdicos? Será que estão arrependidos? Ou pensam que os lisboetas, gostam tão pouco de maratonas que saem da cidade para que ela ainda fique mais deserta e triste que um normal fim-de-semana?”
- “Será que vale a pena continuar a fazer esta prova? Qual é o objectivo de organizar esta prova?”

Abraços,

NOTA: já não vou ao Cartaxo, vou ao 1º de Maio e talvez a estafeta Cascais - Lisboa

segunda-feira, abril 02, 2007

Uma corrida do Carrilhão!

Foi a minha primeira vez na Corrida dos Sinos, pelo menos em termos oficiais pois o ano passado tinha acompanhado a prova, mas ao lado.
Dividi a corrida em 3 partes, tinha planeado fazer em crescendo, tipo - 5km a 5:00, 5Km a 4:40 e 5km a 4:30, mas acabei por fazer os primeiros 5km a um ritmo bem mais rápido do que o previsto, apesar da percepção do esforço o dar como 12 a 14 na escala de Borg, os segundos 5km foram claramente beneficiados pelo recorte geológico e foram feitos em 22:00 min., esse recorte teve um retorno nos ultimos 5 km que foram feitos a um ritmo de 4:36, para não me entusiasmar demasiado, meti conversa com o companheiro Carlos Lopes e consegui conter o ritmo para não ter disabores nos metros finais.
Como balanço sinto que as coisas já estão a voltar ao normal e partir daqui é sempre a melhorar.
A prova esteve bem organizada e não tenho nada a apontar, bastante público mas passivo como sempre.

A seguir será no Cartaxo...

abraços

segunda-feira, março 19, 2007

a meia de Lisboa... e o passeio público
Pela segunda vez estive presente na ponte 25 de Abril para a meia de Lisboa, é sempre um pouco seca a espera… mas desta vez ainda se passou bem, é claro que sem qualquer aquecimento, mas parti da segunda fila da secção do “povo”, que se situa a cerca de 200 m da partida real.

Tinha previsto ficar abaixo da 1h40m, e consegui por um minuto. Os primeiros 5 km sempre a descer fiz em 21m num impressionante ritmo de 4:16/km, aos 10 km passei em 45 m num ritmo de 4:30/km, os restantes 11 km e tal fiz certinhos um pouco abaixo de 5:00/km.

Alegra-me ver que os participantes na prova (a verdadeira que dá o nome à prova) estão a aumentar (pelo menos é a impressão que tenho…), sou perfeitamente contra o show off e tenho pena que não se consigam mobilizar tantas pessoas para praticar desporto e não para passear e contribuir para alguns se gabarem de números completamente falsos que não representam a realidade.

Parabéns!!! a todos os companheiros que estiveram em Roma este fim de semana!

Um abraço a todos,

A seguir vou até aos sinos de Mafra…

segunda-feira, março 12, 2007

a mais Xira corrida nas lezírias...

(nesta foto até parece que estou a dançar o fandango ribatejano…)
Mais uma participação, nesta prova marcante para mim, pois foi o local da minha estreia na corrida.
Este ano a organização fez grandes alterações ao percurso, quer em termos de distância - sendo finalmente assumidos os 15 Km padrão, quer em termos de local de partida e chegada – local com mais espaço, passando também pela própria lezíria – este ano ficámos a conhecer o lado esquerdo da ponte.
Talvez devido ao treino especifico que ando a fazer, voltei a rebentar por volta da 1h de prova e a cerca de 100 m da meta fui mesmo ao gregório
Não tenho nada a apontar à organização, apenas que para a próxima ponham mais uma nuvemzita ou outra para fazer mais sombra :)


a próxima vai ser na ponte...

abraços

terça-feira, março 06, 2007

uma reflexão sobre a corrida


O meu companheiro da corrida António Bento, teve este momento de inspiração e deu-me autorização para colocar aqui esse momento:

O que me faz correr
Sábado, 03 de Março de 2007

Ontem dei sangue. A pica trimestral, na esperança de um sorriso que desconheço e que imagino poder ajudar a nascer. Hoje treinei de manhã, 50 minutos com 3x1600m estupidamente cansativos. Só de tarde me lembrei que ontem tinha dado sangue. Só aí, gracejando, percebi o cardio lá bem em cima, com um estrondoso arrastar de pernas sem motivo aparente (atendendo aos tempos das séries, que me recuso a revelar). Esta foi a semana que se seguiu ao domingo em que rebentei com o meu recorde dos 10 Km por 22 segundos. Deixei-o em 47m41s. O cardio sempre lá em cima. Era dia de recorde e das duas, uma: ou ficava na estrada de rastos ou saía mesmo recorde. Era um objectivo para esta época.
Desde 2003 que tenho "épocas" de corrida. Mudei para melhor. Constipo-me menos. Já não sei o que são ataques de rinite alérgica. Diminuíram as mazelas na coluna lombar que me entrevavam temporariamente, apesar da natação 3x por semana. Posso desfrutar livremente do meu gosto em comer. O peso mantém-se igual há 3,5 anos. Aprendi a conhecer melhor o corpo (holisticamente falando). Se me sinto menos bem sei o que fazer para no dia seguinte estar bem - tenho mais ferramentas. Antecipo sinais. Enfim, sou mais saudável, vivo melhor. E ganhei mais uma fonte de prazer, de muito, muito mais prazer. Acordar pelas 6 da manhã para treinar ou, iniciar um treino longo de 1h30 a 2h (ou mais, dependendo dos objectivos) num domingo pelas 8h parece insano. Parece ... mas é puro prazer. Como os prazeres não são comparáveis, nem se medem aos palmos, este é um dos meus.
E na corrida, ou logo após a corrida, há muitos momentos em que me sinto verdadeiramente bem, porque não dizê-lo: feliz! E quanto mais devagar corro, melhor me sinto e mais prazer tenho.
Nesta 4ª época de corridas descobri-o finalmente. Sem prejuízo de um ou outro momento em que é importante motivar o corpo a ir mais longe e bater um recorde pessoal, aprendi finalmente que correr devagar me deixa bem. Previne as lesões (pela 1ª vez consigo fazer uma época completa sem qualquer lesão). Desde Setembro já fiz 6 corridas (2 meias maratonas, 1 de 20 km e 3 corridas de 10 km). Faltam 2 para as 8 previstas.
No final de Março termino a época. 1 mês de repouso activo com natação e bicicleta. Regresso em Abril com um objectivo: a maratona do Porto. A minha 2ª. Após a memorável estreia em Dezembro de 2005 com 4h51m. Bastante aquém das expectativas que o recorde de 1h43m na meia maratona prenunciava, 3 semanas antes. Mas altamente pedagógica. Totalmente desfrutada na dor e no arrastar até à meta. Na luta contra aquele que seria o caminho mais fácil e até justificável: a desistência. Foram 42 km penosos de luta contra o adversário de dentro. Contra as vontades contraditórias que quilómetro a quilómetro iam mudando de cor. Terminei bastante feliz. Cortar a meta da 1ª maratona é um marco inesquecível. Percebe-se nesse momento que a marca final nunca interessa quando se termina uma maratona. A 2ª já espreita. Mas com outros objectivos. Para já um treino mais prolongado, com mais volume, menos intensidade, mantendo as 4 sessões/semana e uma de cross training/natação. Depois sem preocupações com marcas, embora haja um sino que toca levemente: "se fosse menos de 4h, que bom seria". Sobretudo, desejando ardentemente que seja um caminho de prazer, em que os treinos mais longos de 20 milhas (32 Km) sirvam para reflectir, crescer e desfrutar do caminho, que nesta, como em qualquer viagem, é o que verdadeiramente fica como experiência. A experiência de uma maratona nunca se situa na marca final. Resulta, pelo contrário, do longo processo de treino, em quilómetros, em organização, em tempo e em exaustão.
Num parágrafo: correr dá-me controlo total, liberdade, momentos de reflexão a solo, prazer, puro prazer. Correr devagar permite-me tudo isto. Terminar uma sessão de treino deixa-me feliz. Não é uma obrigação.
Correr é uma forma de estar. Com objectivos de longo, longuíssimo prazo. Ao estabelecer como meta o bem-estar e o prazer, só posso ir aumentando a fasquia com a idade. Ao contrário de quando estabelecemos tempos e metas cronométricas, subjugadas natural e inexoravelmente pelo passar das luas. O meu grande objectivo é correr durante mais 40 anos (ou mais, considerando os actuais 37), sempre com mais prazer. Sempre com mais liberdade, num trajecto paralelo às rotinas do dia-a-dia, que permita oxigenar o corpo e a vontade.
Corro para continuar a correr. Corro devagar para não parar lesionado ou farto ou desanimado. Corro devagar porque sei que assim a probabilidade de parar é bastante menor. E consigo o controlo total e a liberdade suprema. E muito, muito prazer. Quanto mais devagar corro, mais o corpo gosta. E isso é, sem a mais pequena margem para dúvida, mais importante do que qualquer marca em qualquer meta. É algo que começa dentro e nunca termina. Apenas aumenta. E nunca depende verdadeiramente de factores externos. O que faz toda a diferença e permite controlar tudo e aspirar, em certos momentos, à liberdade total. Afinal, um passo para alguns momentos de felicidade.

segunda-feira, fevereiro 19, 2007

Um gordo Domingo em Cascais!

Foi uma prova dura para quem não está a fazer um treino específico de corrida. Quando digo dura, é a sensação que tenho no pós-prova, e da maneira como tenho os músculos.

A minha terceira participação nos 20 Km de Cascais, trouxe o meu pior tempo mas em termos de Percepção do Esforço – talvez um 16+ (escala de borg…) - penso que talvez tenha sido superior ao ano passado, tinha pensado fazer a um ritmo hard/steady de 4:45/km mas dei por mim após a 1h de prova a ficar fixo nos 5:00/km, a explicação é fácil – o treino, mas acabei por fazer à volta de 1h36m com direito mais uma vez a um sprint só para não ficar atraz do deputado Arons de Carvalho :)
Este ano tivemos um percurso novo (dizem que já tinha sido usado no passado), por causa do corte da estrada da Marina, subimos duas vezes a estrada da Baía para o Hipódromo, que acaba por fazer mossa no início, de resto achei a prova muito mais participada este ano, acho que é o efeito Corrida do Tejo (o desafio de subir mais um degrau).
Agora estarei de volta na Lezíria…

Abraços,

segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Terra da fraternidade

O GP José Afonso em Grandola marcou o meu regresso à competição depois do GP do Natal, foi bastante positivo, visto que só esta semana regressei aos treinos mais regulares e mesmo assim têm sido muito levezinhos... portanto fazer 46 min numa prova de 10 Km não posso considerar como uma má participação, considero mesmo como uma muito boa prova de ritmo.
Esta prova é muito participada, no inicio custou um pouco a entrar no ritmo por causa do "transito", o percurso não é tão plano como dizem e a parte de terra batida até considero algo perigosa pois tem muitas pedras, fui sempre em crescendo até cerca dos 7 km e depois consegui manter o ritmo, deu ainda para fazer um sprint nos ultimos 50 metros.


Abraços a todos!

sexta-feira, fevereiro 02, 2007

Triatlo - o meu período de adaptação

A Lénia, tinha-me pedido o plano para a minha estreia no triatlo, neste caso o sprint (nat 750m, cic 20km, corr 5km) de Oeiras no dia 10 de Junho.
Resolvi então colocar aqui neste espaço, a minha preparação para essa experiência, na qual tenho como único objectivo terminar e com vontade de fazer outros.
Período de Adaptação
Como praticante de corrida, terei logicamente que me adaptar às outras duas disciplinas, a natação e o ciclismo, relativamente à corrida vou contar com as provas regulares e o treino habitual de domingo. Então até meados de Março a minha semana tipo será assim:
- Domingo – Corrida (+ - 1h30m ou prova) ritmo easy
- 2ª Feira – Descanso
- 3ª Feira – manhã - Natação (40m easy) / tarde – Ciclismo (+- 1h) rolos easy
- 4ª Feira – Corrida (1h steady)
- 5ª Feira – manhã - Natação (40m easy + drils) / tarde – Ciclismo (+- 1h) rolos spining easy
- 6ª Feira – Corrida (40min tempo)
- Sábado – descanso
Para já o que eu pretendo nesta fase é criar as bases e os mecanismos para que durante o mês de Abril passe para o Período Fundamental.

Até lá, abraços

terça-feira, janeiro 30, 2007

Seguindo a linha...
Estou de volta aos posts, depois da campanha de solidariedade de apoio à minha pessoa, devo esclarecer que nunca me passou pela cabeça deixar de correr, apesar de existir uma batalha real na minha cabeça para clarificar o que realmente se pretende com esta actividade e quais os planos para 2007.
Ora bem, no próximo domingo, dia 4, vou pela primeira vez aos 10 Km da “Vila Morena”, depois, dia 18, pela 3ª vez consecutiva nos 20 Km de Cascais, em Março voltarei às Lezírias e estarei presente na Ponte.
Objectivo: para já é participar, mas no primeiro semestre gostaria de fazer a minha estreia nos triatlos (em principio o de Oeiras em Junho), tenho para isso que batalhar com força na natação, e malhar mais no selim.
Quero deixar aqui um abraço a todos os que deixaram aqui a sua mensagem de apoio, realmente o importante, o mais importante, é treinar, nem que seja para estarmos preparados para o dia seguinte.
Até prá semana!

Abraços,

terça-feira, janeiro 09, 2007


…a culpa é da vontade…
Estou a perder o encanto da corrida, estou sem vontade para treinar ou para pensar em correr.
Não sei o que se passa, mas supostamente deveria fazer uma maratona em Março, e ainda por cima em Roma, até já estou inscrito, mas a motivação é ZERO e sendo assim decidi que não irei à Maratona de Roma 2007.

Tal como diz o Variações na canção; "…a culpa é da vontade…", mas o que fez acabar com a vontade? A experiência do Porto não foi muito boa… treinei, mas sem motivação e cheguei mesmo a ponderar não ir, só a prestação na Vasco da Gama é que me fez mudar de ideias, mas o final da maratona foi muito pesado. Talvez o erro tenha sido o facto de ter abandonado o treino diário e ter passado a treinar só ao fim de semana e algumas provas.

Agora, vou com calma, vou treinando ao "sabor do corpo", quando me apetecer, vou fazer algumas provas e esperar pelo 2º semestre deste ano para que venham melhores dias, mas quase garantidamente afirmo que este ano não vou correr maratonas.

Abraços a todos!