terça-feira, maio 12, 2015

Impostos de corrida


Olá,
Ontem estive presente na Corrida dos Impostos na baixa de Lisboa. Num dia cheio de oferta de provas na capital, acabei por optar participar na que me pareceu ter um percurso mais animado, não sabendo na altura da inscrição que seria do dia mais quente (até à altura) do ano e que a partida seria às 11:00.
Esta prova, na sua segunda edição, é organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos e tem como lema: “Para uma maior Justiça Fiscal”. Neste país em que pagar impostos é algo que nos custa e muito, correr ao sol com cerca de 29 graus também…
Deixei o carro no local habitual e cheguei ao local da entrega de dorsais por volta das 9:00, tinha a ideia que a partida seria por volta das 10:30 e fui equipar-me nas calmas e regressar ao local da partida (campo das cebolas em frente à Casa dos Bicos) e hidratar devagarinho com uma garrafas de água que tinha deixado no frigorífico durante a noite, entretanto com chegar das 10:30 percebo que será ainda mais tarde, provavelmente devido à outra prova realizada na zona de Belém o policiamento teve que gerir a situação. Com estas condições climáticas é muito difícil ter uma boa prestação desportiva mas tentei aproveitar para manter um ritmo forte e constante do início ao fim. Analisando o resultado final é provavelmente a minha melhor prova nos últimos 2 anos, no conjunto de resultados não encontro nenhum registo abaixo dos 5:00/km, algo que foi atingido nesta prova apesar das condições.

Como se pode ver pela review abaixo, a prova tem uma óptima avaliação e é um evento para regressar.
Pontos Positivos:
 - Local da prova
- Dois abastecimentos
- Bifana & Bejeca
- Bengaleiro para deixar sacos
- WC no local de partida
- Filmagem da chegada
- Tempo de prova liquido
Pontos Negativos:
- Horário de partida

Agora vou continuar com este andamento à procura de motivação para os 42,165 km em Outubro, talvez a próxima seja na serra de Monsanto para mais 10k.
Abraço e boas corridas!

terça-feira, abril 14, 2015

A Corrida dos Sinos


Pela sétima vez estive presente nesta "clássica", com o seu monumental enquadramento e uma numerosa participação.
Desde a meia de Lisboa não têm sido muitos os treinos e mais uma pequena constipação o que acabou por limitar e acalmar as expectativas. Antes de sair de casa ainda passei o olhar pela multidão em Paris à espera de partir para a maratona - e que grandes recordações nesta semana em que passaram os 10 anos da minha estreia nos 42,165 km nessa bela capital (sim já passaram 10 anos...) - tomei o meu habitual pequeno almoço e arranquei para Mafra.
Esta prova seja feita num ritmo mais calmo, como foi o meu caso, ou num ritmo mais puxado tem sempre nos 5 km do "meio" o seu grande segredo, pois esse segundo terço da prova é feito na sua totalidade a descer o que leva a algum entusiasmo que será cobrado no regresso até estarmos a 1 km da meta.
Como já disse fui numa média calma de cerca de 5:30/km o que deu para 1h21m sempre bem disposto e com pensamentos positivos apesar do muito calor. 
E agora uma nova rubrica de "reviews" de provas:
Pontos positivos:
- elevada participação
- percurso com público participativo
- chegada na pista de "tartan"
- t-shirt técnica
- sino
Pontos negativos:
- entrega de dorsais mal organizada para os individuais
- funil de chegada demorado
- já não tive batatas fritas ;)
- saída do parque com portão fechado
Espero que esta rubrica seja do agrado dos leitores...
Agora devo voltar em Maio para uns 10k em Lisboa.
Boas corridas!

segunda-feira, março 23, 2015

a XXV meia maratona de Lisboa


20141206-IMG_2964

Fui ontem pela 5ª vez à meia maratona de Lisboa, não só pela comemoração das bodas de prata mas também como uma auto-motivação por ser um evento com tanta participação.

Ao contrário dos outros anos, devido à “complicação” do acesso via CP, resolvi ir de carro e deixá-lo no Restelo, fiquei contente com a opção e nem percebo porque não a fiz mais vezes – muitos autocarros para Campolide sem stress e viagem descontraída sentado e tudo – chegado à estação tinha o receio que o comboio já viesse cheio de Sete Rios e Entrecampos, mas não, estava completamente desafogado e a viagem foi feita sem ser tipo sardinha em lata. Chegados ao Pragal lá se vai nas calmas aproveitado para “despejar as águas” aguenta-se o afunilamento do viaduto para descer para a ponte e pronto é esperar uma hora e tal em pé até ser dada a partida (penso que este tempo em pé tem bastante impacto nas performances nesta prova), ao contrário do previsto estava sol e temperatura a aproximar-se dos 20 graus.

Quanto à prova em si, desde os 20K de Cascais os treinos não foram muitos, o “vírus da influenza” picou com força e ficou uma tosse que demorou quase 4 semanas a passar o que limitou e muito as corridas. A partida é a habitual hora ponta e só a meio da ponte é que se vai conseguindo atingir algum do ritmo pretendido, depois começamos a descida para Alcântara e ficamos entusiasmados com o ritmo e com o apoio da população, temos o primeiro refrescamento de água e a útil separação com os participantes na mini, é nos dado o privilegio de vermos os primeiros classificados a voarem já em sentido oposto e entretanto chegamos ao retorno que agora é logo no Cais do Sodré, vou bem até aos 10k e dentro dos mínimos previstos, mas depois dessa marca o efeito das semanas anteriores e do sol / calor começa a trazer pensamentos menos felizes o que leva a moderar as ambições e optar por um estilo mais de passeio e observar a quantidade de “action cams” que já fazem estas provas umas vão de boleia na cabeça outras no peito e algumas numas antenas que os participantes têm “pachorra” de segurar enquanto correm, observei também a quantidade de meias de compressão que agora são quase maioria no pelotão português, como também observei a grande participação feminina… mesmo assim os pensamentos continuavam que eu tentava misturar com pensamento positivo do gelado que me esperava depois da meta o que fez os km passarem e quando dei por mim já estava a passar a meta com apenas mais 8 minutos do que tinha previsto, ou seja, em 1h58m.


Depois de cruzar a meta veio o único ponto negativo desta participação na meia de Lisboa o funil de chegada estava a fluir muito lentamente, mais para o parado do que a andar, faltou aqui a oferta rápida de algum liquido - água ou isotónico - , entretanto lá consegui chegar ao tão desejado corneto da olá e aí sim atingi a minha meta ;)


Bom, por agora tenho planeado ir aos sinos em Mafra como é tradicional e depois logo vejo...
Abraços e boas corridas!

segunda-feira, fevereiro 16, 2015

os 20 Km de Cascais

Eis o primeiro post de 2015, mais uma vez motivado pela participação numa prova.
Desta vez foi o regresso aos 20 km de Cascais, pelo que pesquisei a ultima vez que participei foi em 2008 – já nessa altura me queixava do excesso de “lastro” – é sempre um percurso muito agradável que sabe a correr em casa pois foi a sede de muitos treinos durante anos.
Uma grande participação como é habitual, em domingo de carnaval com o pessoal pronto para a festa. Continuo a sentir uma grande evolução na participação feminina, a presença habitual dos veteranos, aquelas pessoas que há 10 anos já lá andavam, sim a minha primeira participação nesta prova foi em 2005, em plena preparação para a maratona de Paris (não participei em 2004 porque ainda não corria…), na altura fiz um tempo tão bom ( 1h30m –  fruto do treino sério que na altura seguia) que até duvidei da distancia, apesar do GPS insistir nos 20 km …
A minha participação foi boa e com boas sensações, tendo reiniciado as corridas em Janeiro e sem grande redução de massa adiposa, tenho feito 4 corridas por semana sendo uma delas mais longa e desde há duas semanas um dos treinos com qualidade /velocidade. Pelos meus testes a coisa não daria melhor do que 5:10/km e assim apontei por tentar ficar abaixo da barreira 1h45m, caiu uma chuvinha antes da partida que deu para refrescar e o céu manteve-se nublado com uma temperatura a rondar os 12 graus, estava com algum receio do vento na zona do Guincho mas estava aceitável apesar de resistente também deu uma ajudinha no regresso como é habitual, senti-me sempre bem e fiz parciais de 5km muito constantes mas sempre em melhoria até ao fim e com pensamentos e físico sempre positiva.
Agora vou continuar a preparação para a 25ª edição da Meia Maratona de Lisboa e a pouco e pouco vamos apontando novas metas.
Abraços e boas corridas,

domingo, novembro 09, 2014

a Nazaré que não foi



desculpas... as ultimas duas semanas com um estado gripal que não dava muita vontade de seguir viagem neste domingo.
Queria muito não faltar à 40ª edição da meia maratona, mas pesando prós e contras achei melhor faltar, as condições climáticas não ajudariam muito para levar toda a família.
Agora estamos a apontar para a meia dos descobrimentos no início de Dezembro em Lisboa, a preparação está quanto baste e a mesma já estava prevista, ainda estou a ponderar uma S. Silvestre ou um GP de Natal... vamos ver.
Abraços e boas corridas|

segunda-feira, outubro 27, 2014

Corrida Montepio

Olá!
Cá estou eu no meu post ocasional, desta vez causado pela minha participação na segunda edição da Corrida Montepio.
Este ano teve lugar na baixa lisboeta ao contrário do ano passado que se realizou na zona de Belém. Lisboa sente-se a olhos vistos que está cada vez mais visitada por turistas de todo o mundo e com o bom tempo que se tem feito sentir, ainda mais. O percurso plano e sempre com assistência e o final na praça do comércio só valorizam esta prova que tem tudo para continuar aproveitando o boom do chamado "running" estiveram cerca de 10.000 participantes.
Antes da partida no Rossio tive medo que algo corresse mal, pois a poucos minutos da partida ainda não estavam os participantes colocados no local de partida estando apinhados junto às grades que circundavam o local, mas tudo correu bem sem problemas de maior.
Tinha pensado numa prova controlada (isto parece copy paste dos posts dos ultimos 3 anos) de forma a ter uma experiência positiva dada a falta de treinos que tenho tido, demorei cerca de 2 km até conseguir manter uma velocidade certa devido ao elevado número de participantes, só na entrada para a Av. 24 de Julho é que consegui o ritmo que pretendia como "cruzeiro" até aos 5k, depois daí tentar aumentar ligeiramente de forma a que a prova funcionasse como um treino "tempo running", consegui manter um ritmo abaixo de 5 min/km na segunda metade sem ter grandes efeitos da temperatura elevada que se fazia sentir... terminei nos 51:20 bem melhoe que na ultima corrida do tejo. Agora é mais duas semanitas até a visita habitual à Nazaré desta vez para a 40ª edição da "Mãe".
Abraços e boas corridas!

segunda-feira, setembro 15, 2014

Corrida do Tejo


Não posso dizer que não tenho corrido, porque tenho, agora treinar a ritmos de gente é que está mais dificil.
Ontem participei na minha primeira prova no escalão +45, um regresso à corrida do tejo, uma clássica, este ano a marcar a reentré na viragem da quinzena de Setembro, pois a data habitual costuma ser lá mais para o mês de Outubro.
Estava muito calor, pelo menos a sensação térmica devido à humidade dava para o tal "muito", tentei ingerir muitos liquidos, em vez de água limpa estive a beber uma daquelas com sabores antes da partida, a meio da prova deve ter dado de si... Parti para um tempo alvo de 50 min. que me pareceram realistas e até aos 5km fui cumpridor desse ritmo e passei ligeiramente antes do minuto 25, na subida a seguir a Paço de Arcos e antes do Km 7 tive que passar a passo pois tive a sensação que se continuasse iria vomitar, refresquei-me no abastecimento e quando o pacer dos 55 min passou por mim, resolvi voltar ao ritmo de corrida, senti-me bem e deu para terminar dentro dos 55 min.


Gostei da organização, bastante original com as claques na subida de S. Amaro, o Portal dos 9 km, o duche, a chegada foi fluida pois o chip também acaba por engarrafar nas provas grandes...
Vou continuar a correr, até à do Montepio a 26 de Outubro, mais uma de 10 K e depois pensar na Nazaré, tudo passo a passo.
Abraços e boas corridas!