terça-feira, abril 15, 2008

desfrutar

Sábado – partida para Londres, tudo correu bem, o guia (em papel) fornecido pela nossa agência não tinha qualquer falha e facilmente chegámos ao hotel, o tempo era apertado para estarmos a tempo na feira para levantar os dorsais, pois fechava cedo – cerca das 16h30 – aqui pode-se apontar uma das únicas falhas desta maratona, a “pasta party” terminar às 17h00 – mas assim almoçámos no hotel, é claro atendidos por uma simpática compatriota.
A feira não é melhor que a de Paris, alguns grandes stands, Adidas, Asics e pouco mais... até trago um folheto para uma Maratona no Porto (não sei se conhecem...). Jantar, perto de Piccadily Circus uma apropriada casa chamada Spagethi House – gerida por: adivinhem... um português, muito bem! O que interessa é que o depósito ficou atestado.
Domingo – 5h30, o meu despertar, já tinha tudo preparado de véspera, foi só “despejar as cascas dos hidratos” e descer para o pequeno almoço especial para os maratonistas, não inventei e comi exactamente o que costumo comer antes das provas – pão com doce e chá preto.
Às 7h00 o autocarro para a partida, íamos vendo os outros participantes a ir para o metro até alguns de bicicleta, chegados à Blue Start... Uau!!!! Parece um festival de rock – um relvado imenso, ecrã gigante, tendas com águas, chá, e café, os vários TIR organizados por nºde dorsal para receberem os sacos dos participantes, o sistema dos Urinóis masculinos era fantástico – milhares a entrarem por um lado e fazer o seu serviço e disciplinadamente a saírem pelo outro, às 9h00 vimos a partida da prova feminina no ecrã gigante. Entrámos para a nossa zona cerca de 15 min antes da partida e nunca estivemos apertados, foram abrindo os portões e quando demos por nós estávamos a cerca de 25 m da linha de partida.



Prova – Sentia a bexiga a apertar, suou a buzina! Olho para a direita e vejo um grupo a aliviar-se junto a um painel publicitário, e resolvi ir lá antes de passar pelo tapete do chip, respirei fundo e lá fui na enorme onda que participava neste enorme evento desportivo. O ritmo ia pelos 5:30, mas nada que se compare com a nossa ponte, apeteceu-me olhar para aqueles milhares de espectadores que estavam ali 1 km depois da partida a gritar com todas as forças, fui ganhando o meu ritmo mas sem nunca ultrapassar os 5:00, passei pelos guerreiros massai, entretanto o Pedro O. passa por mim e diz que ele e o Carlos vão ali à frente do lado direito, mas eu nem liguei, fui aumentando ritmo gradualmente, mas sem nunca atingir o que pretendia, nunca baixei dos 4:50 por um período longo. Quando chegamos à Tower Brigde cerca dos 20 km quase que somos levados no ar, tal é a gritaria e o apoio, entretanto vinha-me entretendo a bater nas mãos das crianças que estavam à beira da estrada de braço esticado, vejo um equipamento com a bandeira portuguesa lá à frente, boas noticias, já consegui chegar ao Carlos e ao Pedro, passei por eles a fingir que ia a acelerar, começamos a ver os primeiros a passar pelos 35 Km (um ritmo fantástico!) mais atrás, já com o estoiro iam o Ramala e o Baldini, e nós passámos à meia e começou a chover bem durante um bons km, o Pedro começou a sentir a camisola a arranhar, e a seguir a um abastecimento (eram de milha a milha) estão sempre uns bombeiros de mão com luva esticada a dar Vaselina, e sentiu-se melhor. Eu perto dos 30 Km, comecei a ficar para trás, o meu esforço era o mesmo, mas a velocidade diminuía a olhos vistos e a pernas pesavam cada vez mais, nunca me passou pela cabeça parar e ir a caminhar, fui criando pequenos objectivos; por ex. “fazer esta milha em menos de 9 min” depois “fazer esta em menos de 10 min”. As pessoas oferecem, sugos, gomas, e até powergel daquele mesmo a sério, e gritam “C’mon Niunou!!” ou até “C’mon Nunho” (desta não gosto muito, confesso), mas com uma força e uma convicção que até neste momento em que escrevo, me arrepio.
Os últimos Km foram longos, eu ia quase a 6:30, havia um sinal a dizer “só faltam 385 jardas!” vejo um participante a cair ali (dá mesmo vontade de pegar no homem), e as placas dos 300, 200 e 100 que nunca mais passavam, a única coisa que me animou foi ver o relógio nas 3h39m e “sprintei” para ficar abaixo das 3h40.

Depois mudei de roupa e começou a chover e a confusão isntalou-se, por acaso encontrei o Carlos (que conseguiu finalmente Boston time, parabéns!!!) e fomos até ao hotel.
Segunda-feira – pequeno almoço alarve, e caminhada no parque, depois mais uns km de metro e mais uma bela caminhada no centro de Londres, sempre com um andar novo, e chegar a Lisboa, com aventuras automobilísticas... que não vou contar aqui

Ps. Obrigado Carlos!

5 comentários:

Carlos Lopes disse...

Boas Nuno

Não sei qual a sensação de fazer uma maratona, mas pelo que li, é maravilhoso. Parabéns pela tua prova e pela forma que contas (parece que corri ali contigo) Abraços.

Nuno disse...

Grande atleta! Assim mesmo é que é. Mesmo nas dificuldades, é andar para a frente.

força Nuno, que vais no bom caminho.

abraços
Nuno

Fernando Andrade. disse...

Parabéns Nuno.

Londres também já está "conquistada" .Para quem ainda há 3 anos se aventurou no fascinante mundo das maratonas, o balanço está a ser excelente.

"Se mais mundo houvera..."

Grande Abraço.

Anónimo disse...

Caro Nuno

muitos parabéns pela Maratona de Londres, excelente relato.
Continuação de bons treinos.

António Almeida

PMarques disse...

Olá Nuno! Parabens pela prova, sei q já foi há um ano , quase, mas nunca é tarde para relembrar um feito desses.
Eu adoraria participar este ano na prova, mas não consigo inscrever-me. Como conseguis-te???? Seria fantastico se me desses umas dicas.
Obrigado
PMarques