segunda-feira, dezembro 19, 2005


poema de natal
Vinicius de Moraes


Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

2 comentários:

  1. Tu que dormes a noite na calçada de relento
    Numa cama de chuva com lençóis feitos de vento
    Tu que tens o Natal da solidão, do sofrimento
    És meu irmão amigo
    És meu irmão

    E tu que dormes só no pesadelo do ciúme
    Numa cama de raiva com lençóis feitros de lume
    E sofres o Natal da solidão sem um queixume
    És meu irmão amigo
    És meu irmão

    Natal é em Dezembro
    Mas em Maio pode ser
    Natal é em Setembro
    É quando um homem quiser
    Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
    Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

    Tu que inventas ternura e brinquedos para dar
    Tu que inventas bonecas e combóios de luar
    E mentes ao teu filho por não os poderes comprar
    És meu irmão amigo
    És meu irmão

    E tu que vês na montra a tua fome que eu não sei
    Fatias de tristeza em cada alegre bolo-rei
    Pões um sabor amargo em cada doce que eu comprei
    És meu irmão amigo
    És meu irmão

    Natal é em Dezembro
    Mas em Maio pode ser
    Natal é em Setembro
    É quando um homem quiser
    Natal é quando nasce uma vida a amanhecer
    Natal é sempre o fruto que há no ventre da Mulher

    ARY

    ResponderEliminar
  2. António Bento12:02 da tarde

    Há comentários que não precisam de ser feitos. Há imagens que mostram tudo. Há poemas que dizem tudo. Este comentário é um não comentário, porque está lá tudo!
    Um feliz natal a todos. E sobretudo lembremo-nos sempre de onde partimos, de quem somos e para onde vamos. Para poder caminhar sem hesitações no meio da confusão que cresce nas mentalidades de tantos.

    ResponderEliminar

Mensagem